Exposição "Imagens Olímpicas - Rio 2016" no Conjunto Nacional

foto Diego Padigushi

foto Diego Padigushi

Exposição "Imagens Olímpicas - Rio 2016" apresenta o melhor do fotojornalismo de SP no Conjunto Nacional
Sessenta imagens apresentando os momentos que marcaram a história das Olimpíadas e das Paralimpíadas no Brasil poderão ser vistas gratuitamente a partir das 19 horas de 8 de novembro no Conjunto Nacional, na Avenida Paulista, em São Paulo.
Com curadoria do fotojornalista Jorge Araújo e realizada pela Associação de Repórteres Fotográficos e Cinematográficos no Estado de São Paulo (ARFOC-SP), a exposição apresenta uma seleção do melhor da produção dos fotojornalistas do estado de São Paulo na Rio 2016. Junto com a abertura da mostra acontece o lançamento do livro "FotoRetrospectiva 2015 - Marcelo Min, olhar que une e Retratos do Fotojornalismo", com organização de Nilton Fukuda.
"O fotojornalismo é uma linguagem direta. E essa exposição é exatamente isso, uma celebração do fotojornalismo mais clássico. A nossa tribo eternizou a história", conta Araújo sobre as cerca de duzentas imagens inscritas para a seleção da curadoria. Com meio século de experiência profissional e cinco coberturas de Olimpíadas, o curador optou por realizar suas escolhas às cegas, limitando-se a analisar as imagens sem saber sua autoria.
"Não podia ser contaminado com nomes. Precisei deixar de lado as fotos perecíveis, as que valem para a publicação do dia seguinte, mesmo sabendo que essas imagens são grandes documentos naquele momento. Optei por valorizar informação estética, elaboração técnica e as imagens que sem gaguejar contaram a história com seus personagens, escreveram com luz", explica Araújo sobre seus critérios, completando: "Vi coisas maravilhosas nessas duzentas. Poria todas na parede. Dá um frio na barriga, é uma tremenda responsabilidade. A ARFOC-SP me deixou muito à vontade. Tomara que eu tenha acertado".
Com a prioridade de buscar ângulos não convencionais, o fotojornalista Diego Padgurschi cobriu a abertura das Olimpíadas no Morro da Mangueira, junto com os moradores vizinhos do Maracanã, e a final do futebol Olímpico na arquibancada do mesmo estádio. Após o Brasil sagrar-se campeão, percebeu que o jogador Neymar fizera um discreto sinal aos amigos que o assistiam, indicando que voltaria a eles com a medalha. A intuição do jornalista tornou-se realidade e o craque pulou para a arquibancada e foi erguido pelo público. "Foi um prêmio no final da cobertura por todo o investimento em bastidores", lembra Padgurschi, ressaltando as emoções contraditórias vividas na festa do Morro da Mangueira. "Foi muito bonito ver os fogos de lá, a duzentos metros do Maracanã, e compartilhar a alegria dos moradores. Mas foi triste ao mesmo tempo, ao pensar na desigualdade do país e questionar o legado social de eventos como esse".
Em sua segunda cobertura olímpica, Paulo Whitaker destacou a emoção de acompanhar as Paralimpíadas. "A superação é inquestionável. Segurei as lágrimas duas ou três vezes". Para o curador, a delicadeza e o respeito dos fotógrafos na cobertura paralímpica merece destaque. "O Brasil soube cobrir as Paralimpíadas como ninguém, com sutileza e de forma lúdica. Revelaram os grandes feitos dos paratletas, não suas deficiências. Vimos muita beleza", elogia Araújo.
Aos 20 anos, quatro anos de fotojornalismo, Leonardo Benassato encarou sua primeira cobertura Olímpica no Brasil. Teve oportunidade de cobrir todas as modalidades esportivas ao lado de grandes nomes do fotojornalismo nacional e internacional. Registrou a emoção da primeira medalhista brasileira, a judoca Rafaela Silva. "Pude sentir a sensação da medalha junto com ela", conta Benassato.
O fotojornalista Thiago Bernardes vai mostrar e contar para o filho sobre a imagem de sua autoria que mostra o recorde mundial e a conquista da medalha de ouro de seu xará, o atleta Thiago Braz no salto com vara no Engenhão. Ainda "voando", o atleta comemora no ar ao perceber que ultrapassara a marca do favorito. "Comemorei junto o feito incrível de Thiago. Estava muito cansado naquele dia, já na reta final da cobertura, com chuva e tarde da noite. Lembro de ter chegado no apartamento três da manhã".
Jorge Araújo brinca que os fotógrafos nas Olimpíadas superam o ritmo dos atletas. Muitas horas de trabalho, deslocamento, troca de modalidades esportivas, pouco sono e superação para manter o olhar sempre atento, sensível e criativo. "Nossos guerreiros fizeram e enviaram o melhor para essa exposição. O que fiz foi uma bateia, como no garimpo, para deixar só o ouro."
Com o patrocínio da Paulista Foto, as sessenta fotos da exposição foram impressas em fine art em papel 100% algodão. "Em fine art, as cores são muito fiéis e o olhar do fotógrafo é preservado. Galerias e museus de todo mundo optam por essa tecnologia por sua beleza e durabilidade", explica Estela Dias, gerente da Paulista Foto, empresa que atua em São Paulo desde 1989 oferecendo uma gama completa de serviços para atender toda a produção de uma exposição. A parceria da empresa com a ARFOC-SP estende-se também aos associados, oferecendo espaço e preços especiais aos fotojornalistas.
Sobre o curador Jorge Araújo
Jorge Araújo de Carvalho nasceu em Salvador em 1952. Fotojornalista autodidata, começou a fotografar em meados dos anos 60, trabalhando desde 1973 para o jornal Folha de S.Paulo. É um dos grandes nomes do fotojornalismo brasileiro, tendo documentado quatro Copas do Mundo, diversos outros eventos esportivos, como corridas de fórmula Indy e a Copa das Américas, bem como viagens e campanhas presidenciais e outros importantes eventos políticos. Entre os diversos prêmios que conquista, destacam-se o Prêmio Esso de 1979 e o Prêmio Wladimir Herzog de Direitos Humanos, com o qual é agraciado em quatro oportunidades, em 1983, 1984, 1985 e 1987, respectivamente. É autor do livro "Uma ferida aberta na selva" (1984) e criador do portal http://fotospublicas.com.
Sobre a ARFOC-SP
A Associação de Repórteres Fotográficos e Cinematográficos no Estado de São Paulo, ARFOC-SP, é uma sociedade civil de cunho cultural, sem fins lucrativos e destituída de caráter político-partidário. A ARFOC-SP tem como objetivo incentivar e desenvolver ações culturais no estado de São Paulo, representando seus associados nas questões relacionadas à imagem fotográfica e cinematográfica. Para isso, a ARFOC-SP promove cursos, seminários, palestras e exposições relacionados ao fotojornalismo, telejornalismo, direito autoral entre outros temas que visam o aprimoramento profissional e difusão cultural. Mais informações no site http://www.arfoc-sp.org.br
Serviço:
Exposição IMAGENS OLÍMPICAS - RIO 2016
Realização ARFOC - SP
Curadoria JORGE ARAÚJO
Local: Conjunto Nacional - Térreo (Avenida Paulista, 2073 - Bela Vista - São Paulo - SP)
Telefone: (11) 2172 2000
Abertura: 8 de novembro, 19 horas. Encerramento: 22 de novembro, às 18h.
Gratuito.
De segunda a sábado, das 07h às 22h, domingos, das 10h às 22h. Acesso para deficientes, ar condicionado e estacionamento.
Assessoria de imprensa
Márcia Abos - 11 995117000
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Tags:

Associação de Repórteres Fotográficos e Cinematográficos no Estado de São Paulo

Rua Rego Freitas, 530, Sobreloja - Vila Buarque - São Paulo/SP - Cep: 01220-010 - Telefones: (11) 3257-3991 e (11) 94162-2008   Whatsapp 

   

Pesquisar no site